Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

De volta!

Após um período de interregno em que andei a brincar ao Carnaval, cá estou eu de volta de novo. Tenho que vos confessar que fui passear até ao Carnaval de Veneza e também fui sambar até às terras de Vera Cruz para assistir aos desfiles no Sambódromo.

Diverti-me imenso e usei uma máscara linda de morrer. Eu, o meu N. e até o Pimentinha, claro está!

 

Lamento informar mas nada disto é verdade! :) Na realidade, fui raptada pelo meu príncipe encantado e pelo seu fiel escudeiro que me levaram para o nosso castelo altaneiro.

 

O N. teve a sorte de poder usufruir da segunda-feira e só hoje partiu. Acabaram por ser uns dias de descanso. Ele merece e eu também, embora o cansaço dele não tenha nada a ver com o meu, não é?

 

Notei que este ano o Carnaval aqui na minha zona esteve muito apagado. A não ser nos desfiles realizados pelas escolas, não vi crianças mascaradas a passear orgulhoamente os seus disfarces e nem gente bem disposta pelas ruas. Antes pelo contrário, apesar do sol maravilhoso, da excelente temperatura que convidava a dar um passeio pelas ruas e parques, não se via ninguém, as ruas andavam desertas. E nem vi os habituais disparates que me fazem detestar o Carnaval, que é o caso das farinhas, ovos e mais recentemente, os balões de água. Não vi em pessoas e nem no chão. Será isto o reflexo da crise que nos afecta? Ou será que as mentes sociais já tomaram consciência que estas brincadeiras não têm graça nenhuma?

 

Anyway, estes dias souberam-me a cerejas acabadinhas de nascer, vermelhas, aromáticas e doces! E por falar nisto, a minha horta na varanda tem habitantes novos”… depois mostro!

Máscara De Carnaval

Utilizando a super trunfa que o meu Pimentinha já tem - antes que a tosquia o deixe "carequinha" - e aproveitando a época carnavalesca em que estamos, resolvi mascará-lo.

 

Depois de dar inúmeras voltas à cabeça, pensando qual o disfarce que seria mais adequado (nunca esquecendo a sua trunfa), cheguei à conclusão que seria este:

 

 

"Tá tudo fixe, meus?!"

 

Digam lá que não ficou um must!!!

 

Sem Mãos a Medir…

… com tanto trabalho. Eu sabia que dois colégios e nove turmas me iam dar água pelas barbas, but life goes on…! E não, não desapareci!

 

Uma sucessão de actividades trabalhosas dá nisto. Primeiro o dia de S. Valentim e a feitura dos cartões próprios do dia. Mas este ano não me aventurei a fazer coisas muito elaboradas senão ainda hoje estava enfiada nalguma sala de aula. Quer dizer, não resisti e fiz numa das turmas…

 

Seguem-se as máscaras. E sabem que mais? É difícil como o caraças encontrar máscaras de papel engraçadas para imprimir e fazer. Lá consegui arranjar algumas giras depois de uma exaustiva busca e de scanerizar outras que tinha. É que eu depois tenho a mania de ser perfeccionista nestas coisas: não posso fazer coisas iguais para todas as turmas e muito menos iguais às do ano passado. Isto significa montes de trabalho extra.

 

Depois vem os testes de avaliação. Esta é que é a parte mais dolorosa. Para além de os fazer, ainda vou ter que os ver… chuif! E não me apetece mesmo nadinha. Sabem o que vai acontecer?! Vou ter que os ver no fim de semana do Carnaval. Em vez de “descansar” vou ter que ficar com os olhos em bico de ver tanto teste.

 

Alguém quer dar uma ajudinha?!

 

Nada Demais!

Já devem ter percebido pelo meu silêncio bloguiano que este fim-de-semana tenho cá o meu amorzinho.

 

Ontem foi o meu último dia de aulas e, tenho de reconhecer, que estava mesmo a precisar de um interregnozinho. Sinto-me cansada, com a cabeça super pesada e, para cúmulo, tou rouca. Devo dizer que estou com uma voz muito sexy. Mas não vale a pena ligarem para mim para ouvirem´a minha voz sexy, pois estou de férias!

O que salvou a honra do convento foi a minha conversa noctívaga com as meninas ExIsTêNcIa e Crisálida. Somos mesmo tramadas. É só teorias e conjecturas acerca das nossas vidas privadas. Inventamos cada coisa... é uma risota! Pelo menos descomprimimos e rimo-nos um pouco!

Hoje tem sido um dia tramado. Estive ao serviço das pequenas donzelas. Ou seja, andei armada em fotografa com a minha priminha B. e com a minha afilhada L. . E as coisas têm que ser à maneira delas senão está tudo estragado. Fazem-me lembrar as estrelas de Hollywood e os seus caprichos!

Foto para aqui, foto para ali, posição assim, posição assado e lá tirei as fotos que eu queria e que elas deixaram.

Parecendo que não, perdi imenso tempo. Depois foi chegar a casa e tratar do Pimentinha. Levou cá uma banhoca que até mudou de cor (mentira!)... Depois foi a fase do tratamento de beleza: secar com a toalhinha, pôr spray desembaraçante no pêlo, pentear e escovar. Ufa!

Saime kilos de pêlo. Dava para fazer um edredon, almofadas, cabeleiras postiças e sei lá mais o quê. Agora parece um algodão com o pêlo taõ levezinho. Ah! E parece muita gordo porque o pêlo está enorme...

Chegou a hora do jogo e o N. foi ver o Benfica e eu vim para aqui. Muito sofreu o N. com o jogo! Eram asneiras que ferviam por causa da irritação. Eu lá lhe dava algum apoio moral mas que os jogadores se portaram mal, portaram. Se fossem pagos conforme o seu empenho...

Como me está a dar uma moleza enorme, acho que vou ali roubar um quadradinho de chocolate preto e já venho!

No Carnaval Ninguém Leva a Mal?

 

 

Se há época do ano que me desagrada é o Carnaval. É uma dualidade: gosto e não gosto. Gosto do Carnaval pela sua parte lúdica e de diversão. Detesto pela estupidez que se instala em algumas mentes desprovidas de razão.

 

Desde muito pequena que a minha mãe me mascarava. Acho que a minha primeira máscara foi de sopeira (ou criada) e devia ter cerca de um ano ou dois. A partir daí, fui sempre vestindo máscaras todos os anos, até ser “grande demais” para vestir fatos de Carnaval. Apesar de hoje em dia não ser muito alta, enquanto miúda, eu era muito matulona. Daí haver coisas que não pareciam “bem”. Mascarar-me era uma delas.

 

Gosto imenso de ver as crianças mascaradas e de ver os desfiles das escolinhas. Desde os mais pobres aos mais bem vestidos, é uma alegria ver a criançada mascarada.

Claro que os minorcas andam todos vaidosos a exibir as suas fardas, é vê-los por todo o lado, enfeitando as ruas. Salta uma serpentina de um lado, uns confetis do outro e mais uma esguichadela de água inesperada.

 

O que vem estragar tudo são os parvalhões quem nem brincar ao Carnaval sabem. A primeira vez que me lembro de ver ovos podres ou farinha a serem mandados às pessoas, devia eu ter alguns 11 ou 12 anos. Isto é que é brincar ao Carnaval?! Um anormal mandar um ovo podre de um lado e outro mandar farinha do outro lado?! Pois o meu conceito é muito diferente.

Porque é que em vez de estragarem ovos e farinha, não o oferecem a um banco alimentar? Mais valia matar a fome encoberta que há em Portugal.

O mais interessante ainda é que, muitas vezes, estas coisas são provenientes de pessoas com dificuldades financeiras. Será por não terem uma máscara de Carnaval?

 

Acabo por não sair muito de casa nestas alturas, a não ser de carro, pois abomino ovos podres e farinha. E desde que fizeram a porcaria deste bairro de realojamento por aqui, voltámos à era da pedra lascada, uma vez que 90% dos que ali vivem não sabem o que é viver em sociedade – e nem fazem um esforço – as ruas parecem lixeiras, e no Carnaval voltaram a aparecer os ovos podres, coisa que não era muito comum por aqui.

 

Uma época que poderia ser bastante divertida e boa para dar uns passeios, caso o sol continue a brilhar, quase que nos obriga a ficar em casa com receio de ficarmos com a roupa toda estragada se sairmos à rua!!! God Gracious!